sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Sinal de alerta para a Nationalelf

Depois da derrota para a Inglaterra por 2 a 1 em casa neste meio de semana, a seleção alemã começa a passar pela sua primeira grande crise desde 2006, quando a equipe fez um belo papel na Copa do Mundo em casa.

É verdade que os resultados de Low frente a seleção são relativamente bons. Só nesse ano, em 16 jogos, a Alemanha venceu 11 partidas e perdeu apenas 3 vezes. Depois de uma boa campanha nas eliminatórias da Euro, a nationalelf foi vice-campeã européia, perdendo a final para a Espanha.

Mas infelizmente esses resultados não demonstram claramente a atual situação da seleção alemã. Apesar do vice-campeonato na Euro, a Alemanha apresentou um futebol muito fraco na competição, e o segundo lugar no torneio veio a trancos e barrancos, com mais partidas ruins do que boas.

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, a campanha pode ser considerada boa, mas os jogos são sofríveis. A verdade é que a Alemanha parece ter perdido o futebol que encantou o mundo durante a Copa do Mundo e também durante o ano de 2007.

Como voltar ao caminho certo?
A demora para renovar a seleção alemã logo após a Copa do Mundo é o principal motivo para o declínio da seleção alemã.

A idéia de manter Jens Lehmann no gol da seleção alemã é um exemplo. Mesmo ainda tendo futebol para defender a nationalelf, Lehmann deveria ter sido afastado logo depois da Euro. Seriam dois anos para preparar um jovem goleiro para a função.

Não resta dúvida quanto ao talento de Adler, Neuer e Wiese. O problema é que nenhum deles tem experiência suficiente para assumir a camisa número 1 da seleção.

No meio-campo a situação é parecida. Frings, Schneider e Ballack já estão em declínio em suas carreiras. Apesar de admitir que todos ainda são bons jogadores, todos eles passam mais tempo no departamento médico do que defendendo seus clubes.

Quando chegam a seleção, quase sempre fora de forma, não conseguem desenvolver um bom futebol, além de tirar a chance de jovens jogadores demonstrar sua capacidade.

Marin, Trochowski e Helmes parecem ter conseguido seu espaço.
Mesmo jovem, Marin é o jogador mais habilidoso da Alemanha na atualidade. Marko pode definitivamente assumir a vaga que Schneider deixou na seleção.

Com ótimos arremates e cruzamentos na área, Trochowski deve aos poucos assumir a vaga que Ballack vem deixando em aberto devido a seus problemas físicos.

A má fase de Podolski e Klose parece ter aberto de vez uma vaga no ataque alemão. Patrick Hemes parece ser o homem certo para a função. Kiessling também pode ser uma boa aposta para o futuro.

O maior problema mesmo parece a defesa. Com Metzelder sempre contundido e Mertesacker em péssima fase, Low vem sendo obrigado a improvisar Westerman na função, além de ter que promover jovens garotos como Tasci para a equipe principal.

Aos poucos parece que Low vem substituindo jogadores mais velhos e com a carreira em declínio por jovens promissores. Agora é torcer que essa troca se faça de maneira tranqüila e que não atrapalhe o caminho da campanha alemã rumo a Copa do Mundo de 2010.

3 comentários:

Ubiratan Leal disse...

Preciso dizer alguma coisa?

Saulo disse...

Não esperava essa derrota para a Inglaterra apesar de o time ingles ter uma boa equipe.

Paulo disse...

Cara...esse Ubiratan fala muita merda...vai ler um pouco sobre futebol cara...vc não fala nada com nada...